Obon e Segaki

Comum a todas as correntes do budismo

Obon é oficialmente chamado Urabon, que vem do sânscrito “ullambana” que significa pendurar de ponta-cabeça. Ele simboliza o sofrimento de um ser em uma situação em que quanto mais ele come, mais fome tem. Quanto mais procuramos evitar o sofrimento, mais sofrimento enfrentamos. A situação também simboliza o sofrimento do mundo dos “espíritos famintos”, chamado “Gaki”. O princípio baseia-se na visão budista dos “seis mundos”. Segaki significa oferecer algo aos espíritos famintos.

Os seis mundos

No budismo, todos os seres vivos vagam entre seis mundos. O “carma” de alguém é determinado pela lei de causa e efeito. Esses seis mundos consistem em “Inferno, Espírito Faminto, Animal, Asura (guerra), Humanidade e Ser Celestial”. O Inferno é o mundo do sofrimento. Os Espíritos Famintos (Gaki) é o mundo da avidez e da fome sem fim. O Animal é o mundo da opressão. Asura é o mundo do conflito. A Humanidade somos nós, na Terra. E o Ser Celestial é o prazer. Renascer em um desses mundos depende do que fizemos na vida presente e também nas anteriores.

Para entender esses seis mundos, é útil pensar neles como seis estágios da emoção. Às vezes sofremos e então sentimos alegria. Às vezes passamos fome e então ficamos bravos. Quer soframos ou nos sintamos alegres, há uma razão. Desde que estejamos relacionados às causas do sofrimento, sofremos. Desde que estejamos relacionados às causas do da alegria, alegramo-nos.

Ciclo de renascimento

Quando o relacionamento entre causa e efeito ultrapassa nascimento e morte, denomina-se “o ciclo de renascimento”. Essa é uma característica distintiva do budismo. O ciclo de renascimento ou “Rinne” não é apenas uma ideia misteriosa. Ele advém do relacionamento entre causa e efeito. Você nasceu porque havia alguma razão para nascer. Você vive porque há alguma razão para você estar vivo.

NEXT